A halitose ou mau hálito refere-se a exalação de odor desagradável pela boca. Cerca de 85% dos casos de halitose estão localizados na cavidade oral devido a problemas dentários (cáries, placa bacteriana), de gengiva (gengivite, periodontite) e de língua (língua saburrosa). Dois pontos da cavidade oral são críticos: os dentes e a região posterior da língua, onde frequentemente ocorrem acúmulo da bactérias. O cheiro da halitose provém da produção de gases por bactérias após a metabolização de alimentos que ficam depositados nestas regiões.A boa escovação dos dentes e da língua, o uso de fio dental e a visita regular ao dentista são fundamentais para evitar o mau hálito.

Outras causas menos frequentes de halitose são, por exemplo, problemas gástricos como o refluxo gastro-esofágico e a gastrite, em especial nos casos em que se detecta a bactéria Helicobacter pylori.  Da mesma forma, pessoas cujas amígdalas têm “buracos”, chamados pelos médicos de criptas, tendem a acumular restos alimentares nestes locais, que são metabolizados formando massinhas brancas conhecidas como cáseo amigdaliano, de cheiro ruim . Na verdade, nem sempre o cáseo amigdaliano é causa de mau hálito. O fato da “pedrinha” ser mau cheirosa não significa que o hálito seja igual.  Outro sítio que pode ser a causa da halitose é o nariz, ocorrendo principalmente devido a quadros de sinusite. A existência de gotejamento pós-nasal pode levar ao acúmulo de substâncias mal cheirosas na base da língua.
A halitose pode também ser fisiológica, ou seja, ocorre normalmente em todas pessoas em determinadas situações como ,por exemplo, quando acordarmos pela manhã . Durante o sono, chegamos a ficar várias horas em jejum. O corpo precisa produzir energia constantemente e em períodos longos de jejum há pouca glicose disponível, levando o organismo a queimar gorduras para produzir energia. A metabolização de gorduras leva à produção de corpos cetônicos, substâncias com odor forte que são eliminadas pelos pulmões. Reparem que toda vez que estamos com muita fome, ou em longos períodos de jejum, ficamos com mau hálito.  Dormir de boca aberta, situação comum em pessoas com congestão nasal crônica, leva a um ressecamento da boca durante a noite e consequente halitose.
Doenças sistêmicas como diabetes, cirrose hepática e insuficiência renal crônica também podem ser causa de halitose. Em raros casos, um tumor oculto da orofaringe ou laringe pode ser a causa do mau cheiro.
Como a grande maioria dos casos têm origem na boca, o dentista costuma ser o melhor especialista para diagnosticar e tratar a halitose. Já o otorrinolaringologista pode ser o melhor médico nos casos de mau hálito originado nas amígdalas, faringe ou nariz.

Todas as informações fornecidas neste website têm caráter meramente informativo, com o objetivo de complementar, e não substituir, as orientações do seu(sua) médico(a).
Dr. Eduardo Garcia
CRM-SP 127.022

Eduardo Garcia

Sobre Eduardo Garcia

Dr. Eduardo Garcia tem ampla experiência na realização de consultas, exames e cirúrgias na área de otorrinolaringologia com atuação há mais de dez anos. Formação Acadêmica – Graduação em Medicina pela Faculdade de Medicina do ABC,SP ,2006. – Residência Médica em Otorrinolaringologia pelo Hospital CEMA Especializado, SP. 2008-2011. – Título de Especialização em Otorrinolaringologia pela ABORL e AMB. 2011. – Pós Graduação em Cirurgia Plástica da Face pelo IBPG, SP. 2011-2012. – Médico Assistente e Preceptor do departamento de Otorrinolaringologia do Hospital CEMA Especializado, SP. – Membro da Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico Facial (ABORL-CCF). – Membro da Fundação de Otorrinolaringologia (FORL). – Atuação em Otorrinolaringologia clínica e cirúrgica. Adulto e pediátrica. – Atendimento médico humanizado e individualizado, prezando sempre pela ética profissional. – Atuação nos Hospitais : Hospital Samaritano , Hospital Nove de Julho , Hospital Paulista ,Hospital Santa Catarina, Hospital CEMA.

Deixe seu comentário

Leave a Reply