A septoplastia  é a cirurgia realizada pelo Otorrinolaringologista  para correção do desvio de septo nasal , reposicionando-o da forma mais reta possível. O septo nasal, como todo o restante da cavidade nasal, é coberto pela mucosa nasal. O primeiro passo da septoplastia consiste em se levantar esta cobertura, para que se exponha todas as alterações ósseas e cartilaginosas do septo. Após a remoção e remodelagem das áreas desviadas, a mucosa nasal é reposicionada e suturada.  Geralmente, a septoplastia é associada a cirurgia dos cornetos nasais (turbinectomia ou turbinoplastia).

A turbinectomia ou turbinoplastia é uma cirurgia para redução do volume dos cornetos nasais, que se hipertrofiados dificultam a livre entrada do ar nas fossas nasais. A turbinectomia está indicada pelo otorrinolaringologista quando o paciente apresenta obstrução nasal importante decorrente do aumento (hipertrofia) do corneto, que não responde ao tratamento medicamentoso. A principal causa para o aumento dos cornetos é a rinite alérgica.

Atualmente, emprega-se os endoscópios nasais para melhor visualização e melhor controle do sangramento durante a septoplastia com turbinectomia. A cirurgia é feita sob anestesia geral e tem duração média de duas horas.

No pós operatório imediato podem ocorrer pequenos sangramentos nasais que costumam ser passageiros. O paciente geralmente tem alta no mesmo dia. Normalmente não há dor. Em poucos casos, é necessário o uso de tampão nasal para controle de sangramentos maiores.

Após a alta hospitalar o paciente deve fazer repouso relativo, podendo retornar a suas atividades laborais em poucos dias. O retorno semanal à consulta com o otorrinolaringologista é fundamental para a higiene nasal e remoção de crostas nasais (sangue coagulado), prevenindo possíveis complicações.

Todas as informações fornecidas neste website têm caráter meramente informativo, com o objetivo de complementar, e não substituir, as orientações do seu(sua) médico(a).

Dr. Eduardo Garcia
CRM-SP 127.022